Convide a turma para organizar um diário

Postado em 20/03/2018

Convide a turma para organizar um diário

A atividade permanente faz com que todos se dediquem com frequência à produção de texto

Já fazia um tempo que Simone Salermo, professora da Escola Sesi Petrópolis, em Petrópolis, a 72 quilômetros do Rio de Janeiro, observava uma febre que tinha tomado conta das crianças do 4º ano. Elas carregavam para cima e para baixo os livros da série Diário de um Banana (Jeff Kinney, V&R Editoras, tel. 11/4612-2866), se divertiam com a leitura e se identificavam com as situações e as emoções vividas pelo personagem principal, o garoto Greg Heffley. Ela então teve a ideia de dar um novo significado para o caderno de produção textual dos alunos. "Por que a gente não faz um diário como Greg e registra coisas do cotidiano?", ela perguntou ao grupo.

 

Com a proposta, a professora pôs em jogo uma tarefa permanente de escrita, algo valioso para formar escritores competentes e identificar as necessidades de aprendizagem de cada aluno. A escolha do gênero foi um acerto para fomentar o prazer por redigir, segundo Cláudio Bazzoni, assessor de Língua Portuguesa da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. "No diário, é possível relatar vivências, sonhos e o que mais der vontade. É um gênero com grande liberdade estrutural", ele explica.

As crianças adoraram a ideia e logo surgiu o Diário de uma Princesa, de Julia Marçole de Oliveira Cunha, 10 anos, entre outros. Simone explicou que todos deveriam escrever pelo menos uma vez por semana, e que ela analisaria os registros para ajudá-los a produzir cada vez melhor. Quem quisesse poderia ler os textos para os colegas às segundas-feiras. 



Antes de a turma começar, Simone apresentou o filme Diário de um Banana (Thor Freudenthal, 94 min, Fox Filmes, tel. 11/2505-1746) para que quem ainda não tivesse lido os livros conhecesse a história. Usando os livros dos alunos como apoio, ela organizou um debate em sala para que as crianças conversassem sobre o personagem e a forma com que ele organizava o diário. Também é de grande valia apresentar outros textos da mesma natureza. Selecione diversos autores e estilos para que todos possam se apropriar do gênero. Uma recomendação é a série de livros O Pequeno Nicolau (René Goscinny, Ed. Martins Fontes, tel. 11/3116-0000). "O professor também pode escrever um diário para ler para os alunos. Além de se aproximar da classe, contar um pouco sobre ele é uma forma de apresentar novos caminhos e possibilidades de produção textual para a criançada", explica Bazzoni.

Outras Notícias

 

Apelidos na escola
Postado em 17/05/2018

Praticamente todas as pessoas já receberam, pelo menos uma vez na vida, algum tipo de apelido, esses podem ter origem na família, no trabalho, porém o lugar onde mais acontece é na escola.

Apesar de aparentemente não demonstrar grandes problemas aprese...
leia mais »

Letra feia é um problema?
Postado em 10/05/2018

Se seu filho está no Ensino Fundamental e não consegue fazer aquele traçado redondinho e perfeito das letras, não se alarme: ter letra bonita não é o essencial. Segundo os especialistas no assunto, a questão principal não é a beleza d...
leia mais »

Travessuras de criança
Postado em 01/05/2018

É perfeitamente normal que por volta dos oito ou nove anos de idade, quando a criança já está mais amadurecida, que ela queira fazer brincadeiras com outras pessoas, a fim de curtir com as mesmas ou para fazer gracinhas.

Isso não é nenhum bicho ...
leia mais »